terça-feira, 19 de maio de 2009

queria fazer um pudim.

um pudim igual ao que minha vó me ensinou. e que ele fosse amarelo e bonito como doce de vitrine.
queria fazer uma colcha. e conseguir fazer dela um manto colorido cheio de histórias. queria relembrar. tenho tão poucas memórias.
queria caminhar por um cemitério vazio. e me encher daquele silêncio intenso.
queria sorrir quando olhasse prá mim pelo reflexo dos vidros. queria não me perder. não me estranhar.
queria um conforto solitário.
aprender a cozinhar. queria que minha vó tivesse me ensinado algo que eu pudesse agora relembrar.

eu demoro prá admitir as perdas.
e finjo prá sempre que não as senti.

2 comentários:

Hiago Rodrigues Reis de Queirós disse...

Se trocarmos os pontos pelo Enter, teremos um poema... mas tudo isso é poesia... e das melhores!

Eduardo Machado Santinon disse...

Bonito hein Paulette