sexta-feira, 5 de junho de 2009

hoje.

colocaram bancos bonitos de frente para as árvores.
soltaram balões com sementes dentro.
fui até lá longe só prá ganhar aquele abraço seu, não dizer uma palavra, voltar.
andamos por todo o caminho pisando ora só no preto. ora só no branco. e chegando lá, ele olhou prá cima e disse: mãe, o teto é inquível!
mandei uma mensagem dizendo só: querida...
arrumei nossa cama do jeito mais bonito, te cubri, beijei seus olhos fechados.
eu decidi que iria sorrir a todos que eu cruzasse hoje. e o fiz.
agora vou deitar com um imenso silêncio aqui dentro. solidão.

5 comentários:

Tatiana Lazzarotto disse...

a construção do seu texto é ótima. leve, que te leva, que leva longe. sem vontade de voltar. ai, adorei, dia 4.

Eduardo Araújo disse...

agora eu sigo. agora estou atrás do seu blog.

Ana Guimarães disse...

Que lindo... Inquivel...

.ju mazzuchini. disse...

que bom isso.

Di Bonanome disse...

Como a leveza das palavras pode suprimir as agruras... escreves tão bem... esconde e expõe os vulcões...